Este Blogue não quer ter nada a ver com o novo Acordo Ortográfico...

.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Gravatas#1



Paulo o responsável pela descoberta do "Gravatas"

A bela da Sericaia com a famosa ameixa d'Elvas

Fomos ao Gravatas, já andávamos a precisar de um momento juntos fora do ambiente Bocca... faz falta para reforçar a união... e o vinho também ajuda

O Estagiário Paulo Freitas



Bem Vindo Paulo à nossa Cozinha!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Uma realidade de que temos consciencia!

É duro ser chef

Ao descobrirem a extenuante rotina dentro das cozinhas, 80% dos estudantes de gastronomia decidem abandonar a carreira


http://vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/evasao-cursos-gastronomia-677250.shtml

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Material que queríamos, ms que não podemos ter devido ao aumento do IVA #1



A Rotaval Compact da ICC... Dava-nos um jeitão!!!! se houver para aí alguém que nos queira oferece-la aqui fica a morada para entrega:

Rua Rodrigo da Fonseca nº87-D 1250-190 Lisboa

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Presentes no Estoril Cooking 2012!

video

Convidados pela organização do evento na ESHTE, estivemos presentes partilhando conhecimento com todos. Portugal, México e Paraguai foram os paises com representação. O video que introduziu o nosso contributo...

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Escanção do Ano!!



Ricardo Morais foi Considerado o Escanção do Ano pela Revista dos Vinhos!!!!!!!!
Um Prémio bem merecido!

Parabéns Morais!!!! Eu não disse?

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Noticias do Bocca


Tempos de contenção e dificuldades fazem com que repensemos a nossa forma de estar no mundo da restauração. Temos de manter o que de melhor fizemos até agora, mas é necessário abandonar algumas práticas que encarecem a nossa oferta, mas que após cuidada análise concluímos que não trazem muito valor acrescentado.

Por isso, decidimos alterar a forma de rotação dos menus. Até agora, apresentámos dois menus por ano: primavera/verão e outono/inverno. Vamos deixar de ter esta rotação de cartas tão rígida. Em vez disso, vamos trocar pratos de acordo com os produtos que encontramos no momento. Ou seja, vamos fazer uma cozinha mais de estação, uma cozinha de mercado. Deixamos de ter duas cartas por ano mas passamos a ter novidade muitas vezes ao ano!

Iniciámos já esta fórmula e inserimos nos nossos menus alguns pratos novos, outros de anteriores estações, já testados, e que foram considerados pratos de sucesso pelos nossos clientes. Entre estes pratos estão, por exemplo, as bochechas de porco em vinho tinto, que tanto sucesso fizeram, ou alguns risottos.

Esta nova forma de trabalhar, procurando os ingredientes do mercado e apresentando pratos já testados, vai permitir-nos reduzir o preço médio da refeição, tão agravado pelo brutal aumento da taxa de IVA sobre os serviços de restauração.

Num tempo de crise e restrições, tínhamos de mudar alguma coisa. Já mudámos!

Há coisas que não mudamos: a qualidade dos ingredientes, o serviço de vinhos classificado como um dos melhores de Portugal, a qualidade e profissionalismo do nosso serviço e tudo o mais que fez o Bocca chegar até aqui como um dos restaurantes de referência na cidade de Lisboa.

Opuntia Ficus Indica


Aproveitamento das várias potencialidades económicas da Opuntia Ficus Indica, como forma de contrariar a desertificação em vastas áreas do território Nacional
Este “movimento”, coordenado por uma equipa ambiciosa mas consciente, composta de engenheiros agrónomos, investigadora universitária e jovens agricultores, tem como um dos objectivos, sensibilizar o governo da importância que pode representar para a economia do País a implementação de um plano de desenvolvimento sustentável, em muitas regiões do País, devido às propriedades impares da Opuntia Ficus Indica. Este produto, com enormes potencialidades económicas, já reconhecidas internacionalmente, tem todas as condições para se tornar numa exploração muito rentável em Portugal. Este movimento nasceu da consciência e da necessidade em contrariar e ajudar na resolução de problemas em regiões de elevada susceptibilidade à desertificação, não só de pessoas, como de baixa densidade em oportunidades de emprego, de empreendedorismo e de inovação. Existe um trabalho de grupo o qual já desenvolveu, nos últimos 7 meses, experiências no terreno, em campos de ensaio, possuindo informações de grande relevância, concluindo que a Opuntia Ficus Indica, é um recurso acessível e fácil de produzir a “baixo custo”, podendo constituir-se numa fileira inovadora e com grandes oportunidades no mercado Nacional e Internacional. De realçar que o nosso figo-da-india, devido às características do nosso terreno e com muito sol, factores essências para esta planta, permite produzir um fruto de elevada qualidade, já comprovada. Já foram identificados dezenas de produtos nas áreas: alimentar, cosmética, farmacêutica, extraídos desta planta e do seu fruto, devendo ainda ter-se em conta outras mais-valias sócio económicas, oferecidas por esta extraordinária planta, nas vertentes Cinegética, Biodiversidade, Apicultura, Pecuária, Turismo, Protecção dos solos, Corta-fogos, etc. Somos possuidores de estudos que sustentam estas afirmações e por isso acreditamos que uma parte do território nacional poderia beneficiar grandemente com este projecto agro-industrial, tendo em conta que uma parte significativa dos terrenos existentes em Portugal e onde esta planta melhor se desenvolve, se encontram abandonados, sem qualquer rendimento para os seus proprietários e em nada contribuindo para a riqueza que o País precisa .

Texto de Mário Fernando, retirado do Site www.portugal.gov.pt

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

É já aqui ao Lado, e a diferença é 15%



15% separam o IVA da Restauração Espanhol do Português...

Sabem lá eles o que é crise na Restauração!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012